Horta Vertical – Produção de Alimento

Construindo canteiros suspensos em áreas urbanas dentro do município de Sobral, CE. Para a construção dessa horta levamos em consideração conhecimentos que acumulamos em trabalhos com Agricultura Urbana e capacitações, principalmente, através do Curso de Design em Permacultura – PDC.

A Leitura da Paisagem é fundamental para entendermos as relações bióticas e abióticas no tempo e no espaço. Portanto, antes de qualquer coisa fizemos a leitura para entendermos o que podemos fazer dentro das limitações pessoais e da área, já que é dentro de um espaço urbano, como conhecemos tem muitas limitações!

Observamos ao máximo os fatores ambientais que interagem dentro do local: incidência solar, vento, radiação, chuva, animais (insetos, pássaros e pequenos mamíferos), vegetais (espécies desejáveis e não desejáveis), etc.

Como o espaço é muito pequeno tivemos que aproveitar o máximo, tentando deixar produtivo, esteticamente bonito, sem poluição e aproveitando o máximo da energia dentro do sistema.

Para construção da horta foram utilizados canos de 100 mm que de preferência sejam adquiridos em sucatas. Toda semana chegam toneladas de lixo nas sucatas que vão pelo menos duas vezes por semana para Fortaleza. Os canos mais baratos que encontramos na lojas custam cerca de R$ 38,00, uma vara de 6 metros, enquanto que na sucata se compra a mesma quantidades por menos da metade do preço, aproveitando o que já é “lixo” e não contribuindo para mais produção.

Abaixo as fotos ilustrando todo o processo de construção da horta vertical:

Eduardo (Dudu) medindo as varas e fazendo a marcação dos cortes.

Abaixo, Jasmim, por trás do Dudu, participando de todo o processo.

Após construído o canteiro vertical fazer o plantio. Utilizar espécies vegetais de clima quente e seco. Rúcula, alface, tomate, pimentão, como principais hortaliças, malva corama, alfa-vaca, jasmim-manga, insulina, gengibre, alçafroa  e mastruz, sendo as medicinais e o alho e manjericão as espécies aromáticas.

Aproveitar a água que cai dos canos plantando outras espécies com jarros, ou captar em recipiente o que sobra para reutilizar.